unspecified
MATERNIDADE

A descoberta da maternidade – um relato sincero sobre engravidar

maternidade

Os momentos mais bonitos da nossa vida não são planejados. Acontecem. E às vezes acontecem em um momento em que você tem certeza: tá tudo perdido! O país tá em crise, poucas oportunidades profissionais, apartamento pra reformar… Mas, veja só: Eu não precisava pagar nada, não precisava compra nada, esperar telefonema… Eu só precisava viver.

Dizer mais sim pras coisas que a vida me dava; mas por medo eu recusava quase tudo. Se bem que também me livrei de muita coisa ruim, mas também me livrei das boas oportunidades. E um desses momentos inesperados, inexplicáveis é a descoberta de um bebê a caminho.

Muda a vida? Muda? Muda o coração e a sua percepção sobre ela. Tudo passa a fazer algum sentido  nessa vida louca de notícias ruins, de pessoas para se desconfiar… Enfim, a minha existência tem importância agora, mais ainda a existência dessa nova pessoinha que virá ao mundo.

Aí você pensa em como quer educar seu bacuri, que escola vai frequentar, que fralda vai usar, e talvez até que amigos farão parte do seu circulo de amizade… Mas, novamente, o essencial é o ato de dar carinho e amor.  Aí, a escola, a marca da fralda e do enxoval já não tem tanta importância.

Eu sei que maternidade pode ser um pesadelo, se na hora errada, se no contexto inadequado, se a mulher não quiser; só que pra mim – graças a Deus – veio em um momento muito especial e poder dividir o que é especial com as pessoas ao nosso redor torna o nada; tudo. Um TUDO que eu nunca poderia imaginar.

Também nunca pensei que a ideia de ser mãe entraria no meu coração, destruindo toda repulsa que antes tinha em relação à maternidade. ”Antes um cachorro, do que menino’’. É o que eu pensava.

Pensava… até escutar pela primeira vez os batimentos do bebê. Lágrimas e mais lágrimas. Como alguém pode fazer isso comigo?! Me desestabilizar desse jeito? Me deixar sem palavras, de modo que nenhuma lógica poderia surgir na minha cabeça pra desmitificar o clichê da primeira maternidade?

Imagina! Eu que até um tempo atrás estava dando graças a Deus por não ter uma criança pra ocupar o meu horário livre. Podia
viajar, podia comer o que quisesse, tomar remédios, fazer isso e aquilo.

Agora o meu isso e aquilo esta focado 100% no bebê que ainda nem nasceu. Tudo pra que ele seja feliz. Por que, no final, das contas, é só isso o que todo mundo quer neste mundo louco: ser feliz : ) Apenas isso.

Eu andei sumida esses tempos do blog, por esse motivo: a gravidez. Estava cansada, sem ânimo, mas espero ficar motivada pra escrever os diários de gravidez. Bjs : )

nubank_chamada-2
COTIDIANO, TECNOLOGIA

Cartão sem anuidade, truques surpreendentes para Iphone e mais!

Mês de abril teve vídeos no CANAL, já se inscreveu, mana, por falar nisso? O blog anda meio parado, entregue as baratas – eu sei. Mas eu trabalho fora, né, mana, alguém tem que ganhar dinheiro. ”Nem só de blog viverá o homem” kkkk.

Mas hoje eu trago 3 vídeos que saíram do forno esses tempos. Vou fazer assim agora e quero que vocês me digam se preferem post só sobre um vídeo ou um post para todos os vídeos do mês mesmo. Me conta aí, qual melhor opção pra vocês.

 

► VÍDEO 1 – NUBANK

Falei sobre esse cartão em várias redes sociais. Tô usando ele há mais de 1 mês e tô gostando bastante. De modo geral, quem prefere fazer tudo online, sem papel, sem taxas, sem mimimi, vai amar esse conceito de crédito. Quer saber mais, dá uma bisonha aí no vídeo.

 

► VÍDEO 2 – POTE DA GRATIDÃO

Resolvi testar o pote da gratidão depois de assistir a alguns vídeos da Maura de Albanesi. Eu sou meio reclamona, então nada como um desafio diário para amenizar esse meu lado azedo. Alguém se identifica?

 

► VÍDEO 3 – TRUQUES PARA IPHONE

Menina, esses últimos tempos fiz um apanhado de coisas que eu já fazia com meu iPhone… funções, gestões… que a gente faz automaticamente todos os dias, mas que os outros, os amigos, os colegas de trabalho, não sabem. Daí, resolvi reunir todas as dicas e compartilhar com o povo que tem iPhone, mas que anda meio perdido em meio a tantas funções legais.


Gostaram de algum vídeo? Aproveita e deixa o link do canal de vocês pra eu conhecer : )

artigo-2
COTIDIANO

Bela, recatada e do Lar. O que as pessoas realmente precisam saber

via Deathtostock

Recentemente, a Revista Veja publicou uma matéria que gerou maior polêmica nas redes sociais graças ao sonoro ‘‘bela, recatada e do lar”. Mas aí, o leitor deve sugerir: ”Ah, qual o problema em ser do lar?’’ Inclusive, alguns classificaram o episódio como algo nonsense: ”Não tem algo mais útil pra se discutir no país?”

Pois é, se a gente analisar a declaração do Temer superficialmente, é natural os questionamentos acima, mas vamos levar em consideração que todo discurso é pautado por uma intencionalidade – pra isso damos o nome de Pragmática.

Então,  vamos agora olhar a declaração sob esses olhos pragmáticos, assim poderemos enxergar duas coisas: a primeira diz respeito ao canal em que foi publicada a informação – a revista Veja -, e segundo, o interlocutor, o produtor da mensagem; no caso, o vice-presidente Temer.

Em relação ao canal,  sabemos que há uma intenção – implícita para alguns – de reforçar a imagem da possível primeira dama, positivamente. Por quê? Por que a Veja é favorável ao impeachment, e reforçando essa imagem de ”boa moça”, reforça-se também a imagem de Temer, de bom politico, criando um jogo estético, como cita a professora de filosofia Márcia Tiburi, no canal Jornalistas Livres.

A posição politica da revista não é segredo pra ninguém, nem é algo condenável. Portanto, o leitor deve saber que é natural que um veiculo de comunicação tenha seus valores e posições e reflita isso, de alguma forma, em suas publicações. Até aí, alguma novidade?

Vamos ao segundo ponto agora: a declaração de Temer ao se referir a sua bela, recatada esposa – ah, esqueci: e ”do lar’’. Desculpa, ainda estou encubada sobre esse negócio de ‘’do lar’’. Continuando o raciocínio, o problema não é Marcela ser recatada, com disse Temer. Alguém se ofenderia com isso? Acho que não. E por dizer que ela é do lar, me sugere que ela se dedique à família e aos cuidados domésticos. – o que é um nobre oficio. Até aí, alguém contra? Acho que não. Também acho que ninguém manifeste oposição por ela ser bela. Pelo contrário, a moça tem boa aparência física. Alguém discorda disso?

O que incomoda não são os ‘atributos’’ da Marcela – a tal bela e recatada. O que incomoda é tentar vender esses atributos através da mídia para tentar construir um ideal de mulher adequada aos padrões políticos e usar esse perfil para tentar criar superficialmente um ícone politico brasileiro. Foi superficial também e desnecessário a imagem que a revista tentou vender da possível então primeira dama, já que ela não dispunha de má reputação perante a mídia. Não carecia disso.

Marcia Tiburi, no canal Jornalistas Livres fala sobre o assunto, chamando nossa atenção para o momento em que se dá ênfase à figura de Marcela e sobre a questão da Estética política. Assim, colocar Marcela como bela e recatada e do lar, é atribuir a Temer as mesmas qualidades da esposa:  pessoa de boa aparência, discreto… Um homem de família.O problema, então, não são as qualidades da Marcela, mas usar seus atributos pra tentar fortalecer a figura do Temer como futuro presidente do país, criando a imagem de bom homem, que preza a família e tem uma esposa linda, que é tão recatada –  a ponto de não manifestar opinião nenhuma (muito conveniente, por sinal), que chega a dar nos nervos.Eu sei, não é crime ser doméstica, não é defeito ser recatada, nem tão pouco ser bonita, mas todas essas características, no contexto em que foram citadas, ajudam a criar um perfil que incomodou e ainda incomoda o público feminino.

Também não é crime os veículos de comunicação manifestarem posições políticas, mas que façam isso de maneira decente. O texto, sim, é aceitável (bela recatada e do lar), mas o discurso não foi feliz, considerando contexto em que foi produzido.  Além disso, o uso exagerado de diminutivos na matéria  da Veja –  ‘’Michelzinho’’, ”uma menininha’’… chega a ser indigesto, assim como o tom lírico extremamente superficial ao final da matéria.Por fim, repudio não o texto, mas o contexto e a intenção da matéria. Não convence e não dá pra engolir.


*Favor, creditar se for compartilhar este artigo.

concurso_sem_passar-2
COTIDIANO

A verdade que você precisa saber sobre passar em concurso sem estudar

concurso sem estudar

Eu escuto muitas pessoas falarem que passaram num concurso sem estudar. E elas se vangloriam disso, espalhando a ideia de que é fácil conseguir um cargo público com pouco ou nenhum esforço.

Vocês já ouviram aquele ditado: o que vem fácil, vai fácil? Pois é, eu acredito muito nisso e não boto fé nessa ideia de que com pouco esforço, você consegue uma coisa grande . A não ser que você tenha nascido com a bunda virada pra lua – o que eu acho bem difícil -,  a probabilidade de você passar no concurso público sem estudar, sem saber nada, é muito, mais muito pequena!

Na verdade quando as pessoas falam que não estudaram para um concurso, elas simplesmente querem dizer que não se prepararam para aquele concurso. Sendo assim, a gente entende que elas não se matricularam num cursinho, não compraram apostilas e não tiveram uma orientação direcionada pra passar exclusivamente no concurso X ou no Y, porém isso não quer dizer que essas pessoas não tenham estudado pra concursos. You Go it?

Pra você entender melhor o que eu estou dizendo, deixa eu falar sobre minha experiência pessoal: eu sou concursada e não me preparei pra passar no último concurso do município. Passei em quinto lugar, mas isso não quer dizer que eu não tenha estudado, pelo contrário: estudei a minha vida inteira! Passei mais de três anos estudando línguas. Além da faculdade, eu também fiz pós-graduação, estudei literatura, escrevi artigos pro mestrado, escrevi crônicas, poemas, participei de palestras e conferências…Ufa, tudo relacionado a minha área de atuação.

Eu poderia, então, compartilhar nas redes sociais que eu simplesmente não estudei pra passar no concurso do município, mas pelo contrário, gente, eu estudei a vida inteira pra passar nesse concurso, só não me preparei exclusivamente pra ele. Assim, não frequentei cursinho nenhum, não comprei uma apostila sequer, mas te pergunto: Todos aqueles anos na faculdade foram jogados fora? E as palestras e conferências que eu participei? E a minha pós-graduação? Tudo isso não é uma preparação para a vida?

Eu não estou escrevendo esse artigo pra me vangloriar, pra dizer que eu sou isso ou aquilo. Estou escrevendo esse artigo pra que você pense um pouco sobre essa ideia de conseguir algo difícil, da maneira fácil. Vale a pena? Então, minha gente, não acredite nessas ideias publicadas no Facebook, no Twitter e nas outras redes sociais de que se passa em concurso público sem estudar. Isso é mentira!

Por outro lado, sim, é possível você passar sem se dedicar exclusivamente a um concurso só, mas você precisa ter uma bagagem.  Não é que você não tenha estudado, é que você não estudou focado naquele concurso , mas tinha uma bagagem educacional,  instrução… Você tinha conhecimento suficiente pra passar na prova que queria.

Então, da próxima vez que alguém te perguntar se você estudou pra esse concurso, responda assim: ”A minha vida inteira!”.

✖︎✖︎✖︎✖︎✖︎✖︎
po_marchetti-2
BELEZA

Novo pó facial Marchetti: superbaratinho e multifuncional

Adoramos produtos 2 em 1, né? E se for superbaratinho? Faz o quê? Usa, uai. Hoje eu vou mostrar pra vocês um pó com ótimo custo/benefício, que uso tanto pra fazer contorno, quanto pra marcar o côncavo.

► PRIMEIRO USO

Adoro esse tom, que é mais escuro que minha pele. Aí, fica beeeeem natural porque eu uso esse pincel tipo vassourinha. O efeito fica bem sutil e dá aquele efeito de afinar o rosto.

► SEGUNDO USO

Uso também como sombra, mas só pra marcar o côncavo e, na pálpebra, uso o tom que eu quiser. Mas é de lei: no côncavo, só dá ele. Acho que fica muito bem com meu tom de pele.

Como vocês podem ver o resultado é supernatural. Mas dá pra fazer algo mais dramático, vamos dizer assim. Na verdade esse produto é um pó facial, mas como o tom é bem escuro, eu uso pra essas duas coisas e quebra um super galho!  Lembro que paguei R$11,75 na lojjinha da Roberta Peixoto.


Vocês tem algum produto baratinho 2 em 1 pra me indicar? 

escrava_redes_sociais-2
COTIDIANO

Sou realmente uma escrava das redes sociais?

redes sociais

 

Eu não tenho Snapchat, não gosto do Twitter, nem do Periscope. Ouvindo isso imagino que você esteja de cabelo em pé não é mesmo? 😱 Ou pelo menos indignado pensando: ”Essa menina é blogueira e não tem nem Twitter nem Snapchat… Ela é doida!”.  Talvez realmente eu seja doida e tenha um pouco de loucura abrir mão das grandes redes sociais, mas… Deixa eu contar do início…

Outro dia, lendo os comentários no YouTube, um leitor pediu pra eu gravar um vídeo ensinando truques do Snapchat. E eu sincera respondi que não tinha Snapchat, por isso eu não poderia ensinar os truques que ele queria. Nessa situação, eu poderia muito bem sair correndo e criar uma conta na tal rede social só pra satisfazer a vontade, o pedido da minha audiência. Mas daí eu pensei: ”mais uma rede social para eu administrar! Eu não dou conta nem da minha vida, nem da louça que eu tenho pra lavar todos os dias, que dirá ter mais uma conta de rede social!

Eu não ia ter mais tempo pra me coçar kkk. Como poderia ter um tempo só pra mim, ter um tempo com a minha família, curtir a minha casa e me dedicar a minha carreira com centenas de redes sociais pra atualizar? Sim, eu gosto das redes sociais, mas eu não quero ser escrava delas e nem viver pra elas. Eu quero que elas vivam pra mim.

Eu quero que elas mostrem a minha personalidade, o que eu gosto de vestir, o que eu gosto de escutar. Mas eu não quero ter a obrigação de postar a todo momento e ficar doida com tantas redes sociais. Por quê? Porque eu não sou obrigada a estar em todas as mídias. Não me sentiria bem e isso iria trazer mais malefícios do que benefícios pra minha vida.

Por esse motivo –  queridas leitoras  – eu não estarei em todas as redes sociais, sorry. Nada contra quem sente necessidade de estar em todas elas, mas eu não quero. É uma escolha minha e por enquanto nada vai mudar isso. Eu sou o tipo de pessoa que ainda acha que um pouco de privacidade faz muito bem pra alma. Assim, Snapchat e demais redes diminuem um pouco esse direito de ter a nossa liberdade, a nossa privacidade. E por falar em privacidade quem aqui tem né? Bom, mas isso é uma outra história e um assunto pra um próximo post. Até mais! : )

✖︎✖︎✖︎✖︎✖︎✖︎